domingo, 23 de maio de 2010

CALEM-SE OS ENTENDIDOS


De há uns tempos para cá, mensageiros da “vida saudável” e da “elegância” invadem-nos constantemente, através da televisão. Apregoam as qualidades de este ou daquele fruto, de este ou daquele alimento… muito bons, ricos nisto e naquilo; a apologia dos alimentos verdes, vermelhos etc. Exibem tabelas de calorias, para quem não tem mais que calcular. E quase a par, publicita-se todo o tipo de porcarias e fazem-se montes de programas onde entra a culinária, cheia de chantilly, natas, canapés maricas e outros espécimes singulares. É bom de ver que, sou adepto de pratos simples e tradicionais!

Hoje é preciso alguém, que ensine a comer! Como se a nossa alimentação não fosse apurada e enriquecida ao longo de milhares de anos.

É preciso e só ter uma alimentação variada e em quantidade, de acordo com o esforço de cada um. Comidas da época sim, que o corpo está preparado para isso e pede quando e do que precisa. E como se tivessem descoberto a pólvora aí estão os entendidos a ensinar os ignorantes!

Hoje comem-se estrondosos bifes, comem-se pratos acogulados de sardinhas; come-se mal e à pressa e, em qualquer lugar e a toda a hora. As pizas são a moda; como se não tivéssemos tipicamente melhor.

O exercício é saudável; mas para quê, fechado dentro de ginásios e não entre a natureza e as pessoas? Fazem-se quilómetros de caminhadas – muitas vezes, por gente que está sentada no sofá a roer pipocas e a fumar e vai de carro para o emprego ou para o café, a 100 metros de casa.

Uma “casta de fixados” vivem para as folhas de alface e para o exercício; não vêem mais nada… Aqueles que precisam, nem se ralam com isso!

Nem sal nem açúcar. Que burrice. O açúcar faz a vida doce e ambos são indispensáveis! Mau é abusar. Vêm-se crianças nas escolas a empanturrarem-se de bolos hora a hora e a emborcarem refrigerantes… Outra burrice!

Neste mundo moderno, em que se arranjam frustrações por tudo e por nada e traumatismos psicológicos dos mais variados, em que todos têm que ser standardizados e elegantes; não há lugar para uns mais gordos e outros mais magros… até se chegar ao ponto crítico das anorexias e bulimias.

Por mim, digo como o outro: “Corro para a mesa e salto para o sofá – e mantenho-me em forma!

E digo mais: O que seria de um mundo… com todos aqueles que vivem penosamente, labutando pela eterna juventude?

Seria um mundo de “chatos”… que estes “gajos”; são mesmo chatos!

1 comentário:

  1. São mesmo chatos e a comida de melhor qualidade está cada vez mais cara e a que nós comemos está cada vez mais cheia de químicos e de montes de porcarias, sem saber bem as consequências e depois, têm a lata de falar em vida saudável ;)

    ResponderEliminar